4 atitudes para você sair do cheque especial sem dívidas!

Escrito por: - Publicado em: 02/06/2014

Não há como negar. Quando estamos no aperto, a tentação de pegar o cheque especial é quase que instintiva. Afinal de contas, é um dinheiro de fácil retirada, disponível a qualquer momento e pré-aprovado pelo seu banco. Basta se dirigir a um caixa eletrônico, digitar a sua senha e, como em um passe de mágica, todos os problemas financeiros são resolvidos. Esse é o motivo que leva cerca de 40% dos brasileiros a utilizarem esse serviço todos os anos, de acordo com pesquisa feita pelo site Meu Bolso Feliz.

Acontece que a sensação de resolução de problemas é apenas imediata e logo você terá que lidar com os fatos. Pegar o cheque especial significa ter que mudar completamente a sua postura nos próximos meses. Caso isso não ocorra, você terá dado início a uma verdadeira bola de neve, já que os juros dessa operação, que são os mais caros do mercado, podem facilmente sair do controle.

Usou seu cheque especial e acumulou dívidas? Para que você consiga sair dessa situação sem entrar no vermelho de outras formas, listamos dicas que irão ajudá-lo a fugir do cheque especial e das consequências que ele traz.

1 – Tenha uma boa conversa com o seu gerente

 

A inadimplência não é benéfica para ninguém. O banco perde, já que você terá um débito não pago com ele e, possivelmente, deixará de fazer qualquer tipo de operação com a instituição no futuro. Você também tem muito a perder, já que encontrará dificuldades para conseguir crédito em outras instituições financeiras, além de existir a possibilidade de ter seu nome inscrito em instituições como o SPC e o Serasa.

Nesse contexto, é fundamental que você procure o gerente da sua agência para ter uma conversa. Desta forma, vocês dois poderão encontrar a melhor forma para que a dívida seja paga sem contar a possibilidade de negociar uma redução nas taxas de juros.

Saiba que essa situação é mais comum do que você imagina. No ano passado, o número de pessoas que conseguiu renegociar suas dívidas foi 4,5% maior que em 2012, segundo a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Por isso, vale muito a pena a tentativa.

2 – Faça uma análise das suas despesas fixas

 

A situação ideal é quando a pessoa consegue controlar as finanças pessoais através de gerenciadores financeiros. Desta forma, ela saberá exatamente o destino do dinheiro recebido todo o mês, e terá mais facilidade para cortar gastos.

Quanto eu gasto com lazer? Quais são os custos com alimentos supérfluos ou refeições feitas fora de casa? E quanto eu gasto com celular? Todos esses custos podem ser reduzidos ou cortados, até que você tenha resolvido seu problema com o banco.

A organização financeira não é apenas uma solução para problemas e crises. Se você ainda não adota esse tipo de postura, saiba que os benefícios vão desde um planejamento financeiro melhor para o seu futuro, até a organização para realizar poupanças e investimentos.

3 – Substitua a sua dívida por outra com juros menores

 

Pode parecer que você está fazendo um mal negócio a princípio, mas se a situação estiver totalmente fora do controle, é fundamental que você procure substituir o cheque especial por outra dívida. Como já falamos no início, os juros do cheque especial são os maiores do mercado! Por isso, uma das alternativas é trocá-lo por empréstimos, como o consignado, para que você controle melhor o seu orçamento.

Ao fazer isto, você irá dividir o valor total da sua dívida em parcelas fixas, o que vai facilitar muito o controle financeiro, já que, agora, essa despesa vai entrar no seu orçamento mensalmente, facilitando o planejamento das suas finanças pessoais.

Uma pesquisa feita pelo Procon de São Paulo descobriu que, no ano passado (2013), a taxa média do cheque especial exigida pelos bancos era de 7,95% ao mês. No caso dos empréstimos pessoais, esse valor passou para 5,23%. A diferença pode parecer pequena, mas ao longo dos anos pode ser sentida cada vez mais, e se tornar uma verdadeira bola de neve.

4 – Venda de bens é o último recurso

 

Há casos em que, mesmo realizando todas as etapas anteriores, as pessoas ainda não conseguem cumprir com suas obrigações. Nessas situações mais graves, pode ser que tenha chegado o momento de você avaliar alguns de seus bens e vendê-los para quitar suas dívidas. Pode parecer uma medida triste, mas, se refletir, muitas vezes estes bens podem ter sido a origem do problema.

Um carro ou uma moto, por exemplo, representam custos mensais para o orçamento familiar, isso quando não são diários. Um tablet pode ser desnecessário se você já tem um computador. Faça uma avaliação do que você tem e procure vender todos os itens que representam despesas, ou que você faça pouco uso. Uma alternativa é procurar sites de vendas ou, até mesmo, anunciá-los em suas redes sociais.

Está se sentindo mais seguro para quitar suas dívidas e sair do cheque especial? Agora é hora de mudar os hábitos e ter foco!

Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

Black Friday: como economizar com compras para casa?
Por Viva Decora
Como os aplicativos de finanças podem ajudar na organização do seu dinheiro?
Por Equipe Organizze
Dicas de planejamento financeiro para viajar
Por Meu Patrimônio
Dinheiro parado: veja como usar de forma inteligente
Por Equipe Organizze
Sinta a felicidade de estar no controle de suas finanças

Cadastre-se grátis, e veja sua vida financeira mudar a partir de hoje.

Organizze

Faça como mais de 50 mil organizzados! Receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter suas finanças em ordem (e a newsletter mais legal do Brasil!!).