Como declarar Imposto de Renda sobre investimentos?

Escrito por:

Investimentos financeiros são muito importante para te ajudar a fazer seu dinheiro render mais. Mas nem tudo são flores, pois existem algumas obrigações necessárias para quem investe e uma delas é declarar o Imposto de Renda.

 

A complexidade da tributação, assim como a variedade de aplicações financeiras existentes no mercado, pode confundir muitas pessoas e se tornar uma dificuldade na hora de declarar os ganhos obtidos no mercado financeiro.

 

E essa é uma preocupação natural para todo mundo. Afinal de contas, além da declaração de Imposto de Renda ser um meio de estar “em dia” com a Receita Federal, ela também influencia diretamente o resultado do seu investimento.

 

É importante saber exatamente como é tributado cada investimento, tanto para fazer a declaração correta dos seus ganhos, quanto para escolher o melhor investimento, sem se esquecer da porcentagem de impostos que é deduzida do seu lucro.

 

Por isso, confira algumas informações essenciais sobre como fazer a declaração do Imposto de Renda sobre os principais investimentos.

 

Imposto de Renda do Tesouro Direto

 

Os títulos do Tesouro Direto estão entre os tipos mais conhecidos e procurados do mercado. Isso porque são títulos de renda fixa emitidos pelo próprio governo, e, por isso, são considerados muito seguros.

 

O Imposto de Renda sobre títulos do Tesouro Direto é descontado no momento de resgate do investimento. Portanto, a própria corretora é a responsável por fazer o recolhimento do IR. Apesar disso, ainda é necessário fazer a declaração desse investimento no Imposto de Renda.

 

Se você ainda não resgatou o seu investimento, a declaração do título deve ser realizada na seção “Bens e Direitos”, informando o código “45 – Aplicação de renda fixa” e preenchendo com os dados da instituição financeira onde você realizou a aplicação e o saldo do seu investimento em 31/12 do ano anterior. No caso do IR 2019, você precisa declarar o saldo do seu investimento em 31/12/2018.

 

Agora, se você resgatou seu título do Tesouro, seja por vencimento ou resgate antecipado, você deverá declarar o valor de seus rendimentos na aba “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”, selecionando o código “06 – Rendimentos sobre Aplicações Financeiras” e preenchendo os dados referentes à instituição financeira e valor resgatado.

 

O valor do tributo sobre os lucros segue uma tabela de alíquota regressiva, aplicada aos principais investimentos de Renda Fixa. As alíquotas variam de acordo com o prazo do investimento, veja abaixo:

 

 

Imposto de Renda sobre CDB

 

O Certificado de Depósito Bancário, mais conhecido como CDB, também é um investimento de renda fixa muito conhecido no mercado. E, assim como o Tesouro Direto, o seu imposto é retido na fonte.

 

Portanto, para declarar o Imposto de Renda sobre CDB, é necessário acessar o programa da Receita, e, caso não tenha resgatado o seu investimento, selecionar a seção “Bens e Direitos”, informando o código “45 – Aplicação de renda fixa” e preenchendo os dados da sua instituição financeira e saldo do investimento até 31/12.

 

No caso de ter realizado algum resgate do seu investimento, será necessário declarar o valor de seus rendimentos na opção “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”, selecionando o código “06 – Rendimentos sobre Aplicações Financeiras”.

 

A alíquota do imposto sobre esse investimento segue a mesma tabela regressiva do CDB e de outros investimentos de Renda Fixa.

 

Imposto de Renda de LCI e LCA

 

A Letra de Crédito Imobiliário e a Letra de Crédito do Agronegócio, também chamadas de LCI e LCA, são títulos de renda fixa, assim como o CDB e o Tesouro Direto, mas, ao contrário dos dois últimos, as letras de crédito são isentas de Imposto de Renda.

 

Essa isenção é concedida pelo Governo Federal porque esses títulos são importantes para o desenvolvimento dos setores imobiliário e do agronegócio, sendo assim, ajudam no desenvolvimento do país. Por isso, a isenção do Imposto de Renda é como um benefício para incentivar os investidores a aplicarem nesses títulos.

 

Ainda assim, mesmo que sejam isentos, é necessário que esses investimentos também sejam declarados. Neste caso, o contribuinte deve acessar o programa ou aplicativo da Receita, na aba “Bens e Direitos”, e selecionar “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, escolhendo o código “45 – Aplicação de renda fixa”.

 

Como você pode ver, a forma de declarar cada investimento possui algumas peculiaridades, mas no geral não é nada tão complicado quanto se imagina. O importante é ter atenção à tributação na hora de escolher o melhor investimento para o seu objetivo, e declarar corretamente os seus títulos e rendimentos, evitando erros e sem correr o risco de cair na temida malha fina.

 

Bônus para os traders de plantão: Imposto de Renda para operações de Day Trade

 

Nas operações de Day Trade, que são operações da Bolsa de Valores que começam e terminam no mesmo dia, o Imposto de Renda deve ser declarado mensalmente. Ou seja, todos os meses o investidor deve realizar uma declaração contendo seus lucros.

 

O valor do imposto sobre este tipo de operação é fixo, com uma alíquota de 20% sobre a soma dos rendimentos obtidos no determinado mês. O pagamento é realizado por meio de um DARF, gerado pelo próprio contribuinte após a declaração no site da Receita, com o prazo final de pagamento para o último dia útil do mês seguinte ao investimento.

 

Isso quer dizer que se você realizou operações de Day Trade em janeiro, você deverá declarar as operações em fevereiro, e pagar o devido imposto até o último dia útil do segundo mês do ano.

 

É importante lembrar que o investidor deve declarar todas as suas movimentações financeiras, que podem ser encontradas no informe de rendimentos enviado pela corretora de valores. Outro detalhe legal de saber é sobre as perdas, que podem ser deduzidas do valor a ser pago para o fisco.

 

Viu só como saber dos detalhes essenciais é tão importante? Um informação que à primeira vista parece pequena, pode fazer a diferença entre quem fica em dia com a Receita e quem cai na malha fina. Aproveitando o momento: se você ainda não enviou sua declaração de 2019, não deixe para a última hora.

 

*Ana Cláudia Inez é graduada em Relações Públicas e mestre em Processos Comunicacionais. Também é integrante da equipe de comunicação da Toro Investimentos – uma das maiores fintechs de investimento do mundo.

Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

7 dicas para aumentar a restituição do Imposto de Renda
Por Leoa
Os 7 impostos obrigatórios que você paga ou nem sabe que paga
Por Equipe Organizze
O que é IOF e como esse imposto funciona?
Por Equipe Organizze
Dicas para evitar erros na sua Declaração de IR 2019
Por Equipe Organizze
Sinta a felicidade de estar no controle de suas finanças

Cadastre-se grátis, e veja sua vida financeira mudar a partir de hoje.

Organizze

Faça como mais de 50 mil organizzados! Receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter suas finanças em ordem (e a newsletter mais legal do Brasil!!).