Como funciona um investimento imobiliário? Aprenda e invista!

Escrito por:

Comprar um imóvel ainda é o principal desejo de boa parte dos brasileiros.

 

Mas engana-se quem pensa que o mercado imobiliário vive apenas do sonho das pessoas de conquistar a casa própria.

 

Por conta da boa valorização e segurança que um imóvel oferece, é muito comum encontrar um outro tipo de comprador nesse mercado: o investidor. Seja para construir e vender, alugar, re-vender ou especular, o setor imobiliário é sempre visto como uma das formas mais tradicionais de investimento que existem.

 

Mas você sabe como funciona de fato um investimento imobiliário? De quais formas ele pode ser feito além da compra e venda direta de um imóvel?

 

Se não sabe, fique tranquilo: preparamos um post completo, detalhando as características deste mercado e mostrando como aproveitar as melhores oportunidades que o setor oferece. Confira abaixo!

 

Como se tornar um investidor imobiliário?

O setor imobiliário é um dos preferidos entre o público que quer investir seu dinheiro e construir um patrimônio, devido à junção de diversos fatores, tais como:

 

→ Sua segurança de investimento;

→ Seu grande potencial de valorização;

→ A demanda quase sempre alta;

→ A possibilidade de diversificação.

 

A forma mais tradicional de investir nesse mercado é por meio da construção ou compra direta de um imóvel — seja para ser alugado e gerar uma renda passiva mensal ou para ser vendido por um valor maior no futuro. Porém, existem diversas outras maneiras de investir em imóveis. A modernização da economia e do mercado financeiro trouxe o desenvolvimento de novos produtos, muitos deles ligados ao setor imobiliário.

 

Com eles, é possível investir de forma indireta em títulos e ativos ligados a diversos empreendimentos imobiliários, obtendo ganhos de escala que reduzem a burocracia e os riscos envolvidos, além de aumentar a possibilidade de melhores rendimentos.

 

Desta forma, o investimento direto em imóveis passa a ser menos atrativo e os ativos financeiros relacionados ao setor ganham força. Entre eles, estão:

 

Fundos Imobiliários

Os fundos imobiliários são a reunião de um grupo de investidores (cotistas) que aplicam em conjunto seus recursos em empreendimentos imobiliários que não teriam capacidade de adquirir sozinhos.
Esses investimentos podem ser, por exemplo:

 

→ Um shopping;

Um prédio comercial;

→ Um hotel;

→ Uma agência bancária;

→ Um empreendimento residencial.

 

Cada participante possui um número de cotas no fundo imobiliário, proporcionais ao dinheiro que investiu, e em alguns desses fundos é permitida a negociação de cotas na bolsa.
Neste último caso, um investidor de fundos de investimento imobiliário possui a vantagem de ter liquidez diária, pois pode entrar ou sair do fundo a qualquer momento, comprando ou vendendo suas cotas no mercado.

 

Títulos de Crédito Imobiliário

Os títulos de crédito imobiliário são títulos de renda fixa lançados por instituições financeiras, lastreados em créditos imobiliários.

 

O comprador do título “empresta” o seu dinheiro para um banco, que emprega a quantia para financiar a construção e aquisição de imóveis por terceiros. Com isso, parte dos juros que o banco ganhará por essa operação é repassado para o investidor como sendo de rendimento.

 

Existem três principais títulos no mercado. São eles:

 

→ LCI (Letras de Crédito Imobiliário): Títulos emitidos para financiar diretamente empresas do setor imobiliário. A rentabilidade da LCI pode atingir até 100% do CDI, mas, como são isentas do imposto de renda, seus rendimentos líquidos muitas vezes superam o CDB. Possuem a grande vantagem de serem garantidas diretamente até o valor R$ 250.000,00 — por conglomerado financeiro e por CPF — pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), no caso de investidores que são pessoa física;

 

→ CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários): Título do tipo securitizador, que consiste no direito de receber o pagamento dos empréstimos tomados por empresas do setor, como incorporadores e imobiliárias. Apesar de possuir um certo risco pela possibilidade de “calote”, além da baixa liquidez e da ausência de proteção do FGC, a CRI possui uma boa rentabilidade, normalmente atrelada a índices como IGP-M, IPCA ou TR.

 

→ LH (Letras Hipotecárias): São títulos de renda fixa garantidos por créditos lastreados em hipotecas. Possuem prazo mínimo de aplicação de 6 meses, e quanto mais longo o vencimento, melhor são os ganhos obtidos. A rentabilidade costuma estar atrelada a um indexador, como CDI, TR ou TJLP. Também não possuem proteção pelo FGC, além de contarem com baixa liquidez no mercado.

 

Crowdfunding Imobiliário

O conceito de crowdfunding apareceu inicialmente por meio do financiamento coletivo de projetos pela internet, por meio de plataformas colaborativas como o Kickstarter. Porém, com o passar do tempo o modelo se expandiu e possibilitou a realização também de investimentos via crowdfunding, nos mais variados setores. Um desses foi, justamente, o setor imobiliário.

 

Com isso, surgiu o crowdfunding imobiliário. A ideia é simples: tornar o investimento em imóveis acessível a qualquer um.

 

O que antes era restrito a grandes investidores imobiliários, como investir na incorporação de um empreendimento, passou a ser estendido para todos.
Por meio do crowdfunding, você consegue ter acesso às melhores rentabilidades do mercado imobiliário sem precisar investir grandes quantias, de forma prática e sem burocracia.

 

A plataforma URBE.ME é a primeira a atuar nesse segmento no Brasil. Com ela, é possível adquirir títulos de participação nas vendas de um empreendimento imobiliário por valores a partir de R$ 1.000, de forma segura e online.

 

Além disso, como o modelo não possui intermediários, as rentabilidades são iguais às conseguidas pelos grandes investidores do setor, porém com um risco associado menor.

 

A tendência, portanto, é de que o crowdfunding imobiliário, aos poucos, vá se popularizando crescentemente e aumente sua participação dentro do setor, devido às suas vantagens em relação a outros tipos de investimento e financiamentos no mercado de imóveis.

 

Agora, é só escolher o tipo de investimento imobiliário que mais lhe atraiu, e começar a investir! Fazer o dinheiro trabalhar pra você, é menos complicado do que parece!

 

INVISTA AGORA MESMO, clicando aqui!

 

Ficou com alguma dúvida? Tem algo pra contar pra gente! Comente!

Leia mais
Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

Ações na Bolsa de Valores: entenda como ganhar com este investimento
Por Ana Cláudia Inez
4 erros que quem investe em ações não pode cometer
Por Equipe Organizze
Ações: investir direto ou investir via fundos?
Por Felipe Modenese
Você sabe qual a função da Comissão de Valores Mobiliários (CVM)?
Por Ana Cláudia Inez
Sinta a felicidade de estar no controle de suas finanças

Cadastre-se grátis, e veja sua vida financeira mudar a partir de hoje.

Organizze

Faça como mais de 50 mil organizzados! Receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter suas finanças em ordem (e a newsletter mais legal do Brasil!!).