Como decidir onde investir meu dinheiro?

Escrito por:

Quem conseguiu juntar algumas economias geralmente se pergunta: “onde investir meu dinheiro?” Se você também já teve esse tipo de questionamento, saiba que existem vários critérios que devem ser analisados antes de se fazer uma aplicação financeira.

 

Fatores como o capital disponível, o risco, o tempo, os custos operacionais, entre outros, podem interferir bastante na rentabilidade dos investimentos. Acompanhe, em seguida, algumas dicas de como aplicar bem o seu dinheiro!

 

Verifique o tamanho do capital

 

De modo geral, quanto mais recursos financeiros se tem, maiores tendem a ser os retornos sobre os investimentos. Ainda assim, isso não significa que quem possui poucas economias não possa investir. O fato é que, quando se perguntar “onde investir meu dinheiro?”, avalie o tipo de investimento recomendável para o seu nível de capital. Achou complicado? Calma, vamos explicar.

 

Quem tem menos de R$ 10 mil disponíveis para investimento deve pensar primeiro em acumular patrimônio. Nesse caso, são recomendáveis as aplicações financeiras de renda fixa, como poupança, Tesouro Direto, Certificado de Depósito Bancário (CDB) etc. Podemos comparar as aplicações de renda fixa a empréstimos que o investidor faz a alguém, como o banco ou o governo, a uma determinada taxa de juros. Os investimentos em renda fixa tem perfil conservador, ou seja, tem como objetivo principal preservar o patrimônio e fazê-lo crescer no longo prazo.

 

Com mais capital, é possível fazer outros tipos de investimentos. Por exemplo, acima de R$ 25 mil, já é possível aplicar nas chamadas Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs), que os bancos emitem para financiar esses setores da economia. Vale lembrar que, geralmente, as LCIs e as LCAs possuem um prazo de carência, em que o investidor não poderá sacar o dinheiro. As vantagens dessas duas letras de crédito é que sobre elas não é cobrado o Imposto de Renda.

 

Com mais de R$ 50 mil, o investidor poderá se arriscar mais nas aplicações financeiras de renda variável, como o mercado de ações. Além disso, as corretoras de títulos e valores mobiliários dispõem de portfólios de investimento, com vários produtos, como fundos de investimento, CDBs, LCIs e LCAs etc.

 

Analise o perfil de risco

 

O perfil de tolerância a risco, além do capital disponível, é outro critério que deve ser considerado na escolha de onde aplicar o seu dinheiro. Geralmente, os perfis são classificados em conservador, moderado e agressivo. No mercado financeiro, há uma relação diretamente proporcional entre risco e rentabilidade. Logo, se o risco é grande, o potencial de retorno é maior, mas se o risco é baixo, a rentabilidade tende a ser pequena.

 

Via de regra as aplicações financeiras mais arriscadas são as de renda variável, afinal, corre-se o risco de se perder parte do capital investido, como no mercado de ações. Existem ainda categorias de investimentos de perfil agressivo em que é possível haver até perdas maiores do que o capital aplicado. Logo, para evitar perigo de perder o dinheiro investido, é necessário que você faça um teste de perfil de risco, que geralmente é realizado pelos bancos e pelas corretoras de valores antes das aplicações.

 

Vale lembrar que algumas aplicações de renda fixa, como poupança, LCI e LCA, são asseguradas pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) em até R$ 250 mil por pessoa física. Então, se houver algum problema com o banco, como a falência da instituição, o investidor terá a quantia ressarcida até o limite garantido.

 

É bem verdade que o perfil de risco é um tanto relativo, já que muda de pessoa para pessoa, mas vale lembrar que os jovens podem se expor a mais risco, pois em caso de perda têm mais tempo para compensar eventuais prejuízos. Já pessoas com mais idade precisam proteger o patrimônio para a aposentadoria, logo, não devem correr tantos riscos.

 

Proteja-se da inflação

 

Muita gente faz uma determinada aplicação financeira e, em alguns casos, tem perda real em vez de ganho. Como isso é possível? Graças à inflação, que corrói o poder de compra do dinheiro ao longo do tempo. Imagine uma brincadeira de cabo de guerra. De um lado puxa a inflação e de outro a taxa de juros (rentabilidade do investimento). Se a força da inflação for maior do que a da rentabilidade, o investidor perdeu dinheiro. Para evitar isso, uma opção é aplicar em produtos que sejam remunerados com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação. Como exemplo, temos o título público IPCA+.

 

Quando for decidir onde vai investir, procure saber os dados acumulados da inflação nos últimos doze meses e as perspectivas para o ano seguinte. Dessa forma, você poderá escolher aplicações que rendam mais do que a inflação.

 

Considere o tempo de investimento

 

Mais um critério para responder à pergunta “onde investir meu dinheiro?” é o tempo da aplicação. Geralmente os investimentos podem ser classificados como aplicações de curto (até dois anos), médio (entre 3 e 5 anos) e longo prazo (mais de 5 anos). O tipo de aplicação dependerá dos objetivos financeiros que a pessoa tem para o uso do dinheiro, como compra de casa ou carro, pagar faculdade ou garantir a aposentadoria etc.

 

Nas aplicações de renda fixa, por exemplo, o tempo do investimento tem grande influência sobre as alíquotas do Imposto de Renda, já que em algumas aplicações a cobrança é regressiva, de 22,5% (até 180 dias) a 15% (mais de 720 dias).

 

Avalie custos operacionais

 

A maior parte das aplicações financeiras possuem custos, como taxas de administração, corretagem, custódia (guarda dos títulos) etc. Conforme o valor que se investe, os custos podem impactar na rentabilidade real do investimento. Por exemplo, se alguém compra R$ 100 em ações e paga uma taxa de corretagem de R$ 10, terá que esperar uma rentabilidade de no mínimo 10% para pagar o custo da operação. Sem contar que, ao vender as ações, precisará pagar as taxas de novo. Por isso, o investimento em ações é recomendável com um capital maior, que dilua os custos.

 

Com essas dicas, quando você se perguntar “onde investir meu dinheiro?” já terá um roteiro para avaliar quais são as melhores aplicações para as suas economias. E por falar em dinheiro, quer receber mais dicas para fazer o seu planejamento financeiro? Então, assine a nossa newsletter e receba dicas diretamente em seu e-mail!

 

Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

Supérfluos: os obstáculos para seus objetivos financeiros
Por Luiz Roberto Brem de Almeida
Antes de investir, saiba o seu perfil de investidor
Por Alphamar Investimentos
3 dúvidas que todo investidor iniciante tem
Por Equipe Organizze
Como priorizar as dívidas? Saiba o que fazer para evitar que a dívida aumente
Por Equipe Organizze
Sinta a felicidade de estar no controle de suas finanças

Cadastre-se grátis, e veja sua vida financeira mudar a partir de hoje.

Organizze

Faça como mais de 50 mil organizzados! Receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter suas finanças em ordem (e a newsletter mais legal do Brasil!!).